---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

Histórico

Publicado em 16/04/2019 às 16:06 - Atualizado em 16/04/2019 às 16:05

Histórico do Município

            Contam os historiadores, que mais ou menos no ano de 1875, já havia nas margens do Rio Iguaçu, o primeiro Porto de navegação, cujo nome era Porto Amazonas, sendo que a seguir o rio era completamente desconhecido. 

            Havia em Porto Amazonas um senhor de nome José Cordeiro, que tinha espírito de aventureiro, o qual planejou uma viagem pelo caudaloso Rio Iguaçu Partiu levando contigo, apenas uma família e um bugre para auxiliá-lo na defesa contra os índios. Diz a história que José Cordeiro navegou até Porto União nome este já anteriormente batizado por aventureiros bandeirantes.

            Depois de alguns dias, ele penetrou nos sertões, e logo defrontou-se com terras de campos que mais tarde deram o nome de São João dos Pobres. Mas o espírito de aventura de José Cordeiro não parou nisso, seguiu mais adiante, atravessando campos e matas, saindo nos campos de São João de Cima, cujo nome ainda permanece inalterado.

            Após 6 meses de viagem retornou a Porto Amazonas contando toda a sua aventura, logo parentes e amigos ficaram interessados na obtenção de grandes áreas na região descoberta por José Cordeiro. Um ano após esta descoberta, voltou José Cordeiro acompanhado de parentes e amigos que requereram grandes posses de terras do Governo Federal.

            Depois desses primeiros exploradores veio para São João dos Pobres, atual cidade de Matos Costa, a família do Coronel Manoel Lourenço de Araújo, o qual adquiriu grande parte de terras e fundo a Fazenda Campo Alto.

            Com a construção da estrada de ferro R.V.P.S.C, o progresso da região foi impulsionado de modo notável, pois facilitou a vinda de novos colonizadores a Inauguração dessa Ferrovia fator importante em nossa história e desenvolvimento, deu-se aos 4 dias do mês de abril de 1908, ligando a então Vila de São João dos Pobres à cidade de Porto União.

            Em 1912, os fanáticos chefiados pelo Major José Maria, firmados numa ideologia brutal e sangrenta, começaram a saquear as povoações existentes, deixando atrás de si um rastro de sangue e destruição através de mortes e incêndios, as localidades que mais sofreram com tais violências foram São João dos Pobres (atual cidade de Matos Costa) e a vila de Calmon paralizando por completo o progresso de nossa terra, pois os habitantes viviam em constante temor dado a violência usual dos fanáticos.

            O ano de 1914, foi o ano em que ocorreu a morte do Capitão João Teixeira de Matos Costa e com ele numerosos soldados de batalhão, bem como diversas outras pessoas, vitimas de ardil tocaia por parte dos fanáticos.

            Em 15 de Setembro de 1917, através da Resolução nº 37 esta localidade passou a Distrito de São João dos Pobres, o qual há 30 anos passado denominava-se “São João”. Em 1919 foi plantado o Marco que dividia Paraná e Santa Catarina, o qual situa-se às margens do Rio Jangada A 23 de dezembro de 1933, foi iniciada a primeira estrada de rodagem que ligaria esta localidade a Irati de Palmas – PR.

            Com a construção da nova Estação Ferroviária o então Distrito de São João dos Pobres passou a denominar-se Matos Costa, numa justa homenagem ao destemido Capitão João Teixeira Matos Costa, morto covardemente numa emboscada armada pelos Jagunços da revolução de 1914, e com ele diversos soldados de seu Batalhão e muitas outras pessoas que nessa localidade habitavam.

            Em homenagem ao heróico Capitão João Teixeira de Matos Costa, este município recebeu o nome de MATOS COSTA.

            A 23 de abril de 1962, pela Lei Estadual nº 819, foi criado o município de Matos Costa e a 22 de julho do mesmo ano foi o município instalado oficialmente perante o Juiz Substituto da Comarca, representante do Senhor Governador do Estado, e inúmeras autoridades do Estado.

            A 8 de junho de 1962, o Governador do Estado de Santa Catarina, senhor CELSO RAMOS, nomeou o primeiro prefeito provisório desta cidade, o Senhor ANTONIO MACIEL DE ARAÚJO, e a 16 do mesmo mês foi criado por Decreto da Secretaria da Fazenda a Coletoria Estadual.

            O governo do senhor Antonio Maciel de Araújo, foi de grande utilidade para esta comuna, construindo Escolas, melhorando as ruas da cidade e remodelando as estradas municipais.           

            A 7 de Outubro de 1962, foi eleito para Prefeito Municipal o Senhor SEBASTIÃO CARNEIRO.

            Em 31 de Janeiro de 1963, foi instalada a Câmara Municipal que ficou assim constituída, Presidente: MAURO NOVACKI, Vice-Presidente: LIZANDRO TABALIPA 1º Secretário: GERMANO SLONSKI 2º Secretário: JORGE WEBER FILHO, e mais os Senhores Vereadores: DARIO CARNEIRO, NELSON SCHEFFER e LEONIDAS DRIESSEN.

            A superfície do município de Matos Costa, é de 1050 Km², com altitude de 1237m e sua população de mais de 10.000 habitantes.

LIMITES MUNICIPAIS

 1 – Com Porto União:

Começa na foz do Arroio do Meio no Rio Jangada; sobe pelo primeiro até a sua nascente; daí segue por uma linha seca até a foz no Rio São João no Rio Tamanduá; desce por este até a foz no Rio Tucano; sobe por este até sua nascente; daí segue pelo divisor  das águas dos Rios Tamanduá e Pardos até a nascente do Rio da Casa; desce por este até a foz no Rio dos Pardos, sobe por este até a Foz do Lageado Dobrado; sobe por este até a sua nascente; daí por uma linha seca até a nascente do Lageado Agudo; desce por este até sua foz no Rio Bonito; por este acima ate encontrar a Foz do Lageado Leão e por este acima até sua nascente; daí por uma linha seca até a nascente do Rio Redondo; descendo por este até a sua foz no Rio Timbo.

2 – Com Irineópolis:

Começa na foz do Rio Redondo no Rio Timbó, sobe por este até encontrar a foz do arroio dos Paióis ou Redondo.

3 – Com Santa Cecília:

Começa na foz do Rio Cachoeira no Rio Timbó, subindo pelo primeiro até encontrar a foz do Arroio dos Paióis ou Redondo.

4 – Com Lebon Regis:

Começa na foz do arroio dos Paióis ou Redondo no Rio Cachoeira, por este acima até a foz do Lageado 3 Cerros e por este acima até a sua nascente.

5 – Com Caçador:

Começa na nascente do Lageado 3 Cerros no divisor das águas dos Rios do Peixe e Timbó, conhecido por Serra do Espigão; segue por este divisor até a nascente do Rio Caçador, desce por este até a Foz do Arroio Lucindo; daí segue por uma linha seca ate a nascente do Arroio Tortato que desemboca defronte ao km 641.780 metros da RFFSA; desce Por este arroio até a foz no Rio do Peixe; por este acima até a foz do Arroio do Pena ou Bugre; sobe por este até sua nascente; daí segue por uma Lina seca até a nascente do Rio Tigre e por este abaixo até a foz no Rio Jangada.

6 – Com General Carneiro – Paraná

Começa na foz do Rio Tigre no Rio Jangada; por este último acima até a foz do Arroio do Meio, ponto inicial da descrição de limites.

Em 09 de Janeiro de 1992, de acordo com a Lei Estadual nº 8525, fica criado o município de Calmon, e com isso as divisas limítrofes do município sofrem alterações, permanecendo as divisas com os municípios de Porto União, General Carneiro e Calmon.

7 – Com Calmon:

Inicia no Rio Jangada, marco de divisa nº 276 (coordenada Geográfica aproximada Lat 26º35’36”S e Long. 51º13’25”W), daí segue pelo divisor de águas entre os córregos Lixiguana e da Segunda, passando pelos morros de cotas altimétricas 1130 m, 1178 m, e 1268 m, segue pelo divisor de águas entre os afluentes da margem direita do Rio do Peixe e os afluentes da margem direita do Rio Preto, passando pelos morros de cotas altimétricas 1310 m, 1191 m, deste último morro segue em linha seca e reta até a rodovia SC 14, marco de divisa nº 277 (coordenada geográfica aproximada Lat. 26º34’03”S Long. 51º08’09”W), daí por, outra linha seca e reta até o morro de cota altimétrica 1210 m, segue pelo divisor de águas entre os afluentes da margem direita do Córrego das Barras e os primeiros afluentes da margem esquerda do Rio Preto e pelo divisor de águas entre o córrego das barras e afluentes e o Ribeirão São Roque, passando pelos morros de cotas altimétricas 1220 m, e 1229 m, até alcançar a nascente de um afluente da margem do direita do Córrego das Barras, marco de divisa na 278 (coordenada geográfica aproximada Lat. 26º32’27”S e Long. 51º05’58”W), daí segue por uma linha seca e reta até o cruzamento do Ribeirão São Roque com a Ferrovia RVPSC, marco de divisa nº 279 (coordenada geográfica aproximada Lat. 26º31’49”S e Long. 51º05”0S”W), daí por uma linha seca e reta até o morro de cota altimétrica 1183 m, Marco de Divisa nº 280 (coordenada geográfica aproximada Lat. 26º30’53”S e Long. 51º05”08W), daí por uma linha seca e reta até o morro de cota altimétrica 1198 m, nascente de um afluente da margem direita do Ribeirão São Roque, desce por este afluente até o Ribeirão São Roque, desce por este até o Rio dos Pardos.  


Galeria de Fotos

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
  • {{galeriaMultimidia.length + galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar